Entrevista para a “Beatweek Magazine”

05 mar Entrevista para a “Beatweek Magazine”

Avril Lavigne concedeu, antes de entrar em turnê, uma entrevista para a BeatWeek Magazine, onde fala um pouco sobre o novo álbum, trabalhar com Chad Kroeger, Marilyn Manson, moda e entre outros assuntos. A entrevista está na edição de Janeiro/Fevereiro da revista e você pode conferir na íntegra a matéria completamente traduzida pela nossa equipe.

Há um dueto com o seu novo marido, Chad Kroeger, do Nickelback, uma balada chamada “Let Me Go”. Tem a pesada dark chamada “Bad Girl”. “E então eu fiz algo diferente quando escrevi ‘Hello Kitty’” – Avril revela – “Ela tem uma vibe eletrônica, então é meio louca. Também tenho músicas de verão, ‘Bitchin’ Summer’ e ‘Sipping On Sunshine‘. São meio que músicas de fogueira.

Os esforços de colaboração com Kroeger vão além do dueto deles, uma vez que co-escreveram metade do álbum juntos. “Ele é um compositor muito foda.” – ela diz. “A banda dele tem 17 hits números 1. Então quando ele diz algo, eu confio em sua opinião: ‘tá bom, você venceu esta’. Ele é realmente bom liricamente e com as ideias. Quando nós fazemos material para mim, ele tem que pensar fora da caixa, de forma diferente, porque eu sou uma garota eu gosto de ser realmente capaz de capacitar minhas fãs. Eu também gosto de que minha música alcance todo mundo, idades diferentes, garotos e garotas. Então tem sido legal conceituar com ele e tentar coisas novas. Ele sempre me faz sentir muito bem com os meus vocais e é legal trabalhar com outro cantor porque ele entende.

“Bad Girl” permite que ela finalmente trabalhe com o velho amigo Marilyn Manson. “Nós já nos conhecemos há 10 anos, fui no show dele quando eu tinha 18 anos. Nós nos divertimos nos bastidores e mantemos o contato, temos sido amigos por algum tempo. Eu tinha essa música e então eu liguei para ele ‘Ei, venha para o estúdio escutar essa música.’ E ele ‘Ok, eu estarei lá às 4. 4 horas da manhã! Ok, acho que ficarei acordada a noite toda. Ele gostou da música, colocou seus vocais e arrasou. É uma das minhas favoritas no álbum.

Mas as músicas não são o único território novo em que Avril se aventurou. A capa do álbum é diferente de qualquer outra que ela tenha posado antes. “Eu queria colocar meu cabelo para cima porque eu nunca fiz isso e é meio que uma coisa da cultura gótica também. Há elementos diferentes. É novo para mim. A moda que estou fazendo agora está um pouco no glam rock. Eu me divirto com jaquetas de couro, spikes, tachas e preto, preto em tudo. Preto e vermelho. Meio que estou mais sábia na moda.

Aqueles aprendizados de moda a levaram para a sua linha de roupas “Abbey Dawn“. “Eu sempre faço roupas que eu gosto e que eu vou usar em algum momento. É literalmente meu estilo pessoal, coisas que eu quero usar.

Para todos os seus novos ângulos, o álbum tem seus momentos de reflexão do passado. A música “17” volta ao ano em que sua carreira decolou. “Eu sempre me vejo voltando para os 17 anos. Eu vou ser sempre assim, sim, eu fiz isso quando eu tinha 17 anos. Tanta coisa aconteceu comigo naquele ano que eu sempre quis escrever uma música sobre ter 17 anos.

Com cinco álbuns em sua carreira, Avril aborda suas setlists com os fãs em mente. “Todos os singles de todos os álbuns. Acho que é importante porque quando as pessoas  vão para o show, elas querem isso.” Mas isso não significa que seus shows são previsíveis: “Algumas vezes eu toco bateria, piano e guitarra. Então eu divido o show em várias seções escolhendo meus materiais favoritos.

Algumas das novas músicas vão encontrar o seu espaço na setlist bem como, Hello Kitty. “Ela tem uma vibe eletrônica que eu nunca tinha feito antes, então eu não sei como vai soar. Mas eu estou ansiosa para tocar ‘Give You What You Like’ porque ela é misteriosa e é um personagem em uma história.

Três anos após lançar a The Avril Lavigne Foundation para beneficiar crianças, ela está expandindo seus esforços em um novo território. “Esse ano nós começamos um novo programa, nós enviamos 50 crianças com deficiências para um acampamento de verão, o que é importante para eles porque isso é algo que eles estavam ansiosos, ver os amigos. Eles ficam conectados com seus amigos que irão ver o ano todo. Então quando eu fui visitar o acampamento no último verão, eu, com certeza, queria enviar crianças para lá. Então nós doamos, fizemos leilões e coisas do tipo para tentar deixar os fãs envolvidos.

Com o álbum auto-intitulado, em sua estreia, atingindo essa semana outro top 10 e a turnê da costa leste se iniciando em Dezembro, Avril Lavigne está no topo do mundo, como sempre. Mas ela humilde diz: “Eu estou tão animada por estar aqui hoje e ainda poder fazer música.





437 views